Viagem de Bike

Paris a Londres de Bike – uma viagem solo

4 de novembro de 2016

Pedalando entre as duas capitais mais famosas da Europa

Da Catedral de Notre Dame à Catedral de Westminster

Viajar DE PARIS A LONDRES de carro, de trem, de ônibus é possível, apesar  de Inglaterra e França serem separadas por um oceano; mas você já pensou em ir de BICICLETA??? Sim, também é possível.

                          A Avenue Verte ou Greenway, inaugurada em 2012, deixou PARIS e LONDRES ainda mais próximas. Da capital francesa, PARIS, a DIEPPE, pedalei 246 km ao longo do Vale Epte, depois pelas margens arborizadas do Rio Sena – onde Monet pintou seus lírios – e, em seguida, pedalei pelo vale Oise – onde a rica paisagem serviu de fonte de inspiração para muitos dos impressionistas, como Daumier, Pissarro, Cézanne e Van Gogh.  Em Dieppe uma balsa (para mim um navio) me levou por 4 horas pelo canal da Mancha até chegarmos à primeira cidade da Inglaterra – Newhaven. De lá segui pelas rotas 2, 21 e 20 da National Cycle Network, até chegar a Londres – foram mais 160 km. O caminho passa por bosques e segue os antigos trilhos ferroviários que existiam na região, além de várias cidades. No total foram 406 km e 8 dias de pedal.

                    Uma viagem que fiz sozinha, por não ter arrumado companhia na data escolhida para viajar, e porque não foi possível conciliar o roteiro desejado com as companhias disponíveis. Enfim, viajar sozinha não seria problema para mim. Cerquei-me de alguns cuidados e planejei metodicamente minha viagem. Sou daqueles que ainda preferem os mapas impressos, então, a primeira coisa que fiz foi comprar os meus mapas -guia disponíveis no site www.sustrans.org.uk, com muita antecedência permitindo que os estudasse muito antes de iniciar a viagem. Com isso foi possível  prever situações e criar plano B, caso necessário. Sites bastante explorado por mim antes da viagem foi  www.avenuevertelondonparis.co.uk e www.bedsforcyclists.co.uk

                          Com isso tudo,e o roteiro definido, segui para Paris onde iniciaria o percurso entre as duas capitais mais famosas da Europa.

Não tive problemas e consegui chegar a todos os pontos turísticos da cidade pedalando! Descobrir a cidade de bicicleta me fez ter uma perspectiva única e apaixonante por Paris.

Pont Alexandre III

3

Pont des Arts

4

Museu du Louvre

img_2384

Museu du Orsay

img_2392

5

Torre Eiffel

                     Minha viagem foi planejada em 7 etapas :

                     1 Etapa : Paris a Conflans-Sainte-Honorine

Paris / Saint-Denis / Nanterre / Le Pecp / Conflans-Sainte-Honorine 

                         Minha viagem começa no coração histórico de Paris, em l’île de la Cité, em frente à Catedral de Notre-Dame.

img_2396

Catedral de Notre Dame

                    A catedral é impressionante, com sua nave de tirar o fôlego, seus vitrais magníficos e suas gárgulas fantásticas. Mas sair de uma grande cidade pedalando não é tão fácil e exigiu muita concentração. A sinalização na Avenue- Verte, na França, é uma seta verde com uma bicicleta dentro de um quadro verde, muito similar com às placas de sinalização dos pontos turísticos. Por isso é importante estar atento.

img_2417

sinalização da Avenue- Verte

img_2391

sinalização da cidade de Paris – pontos Turísticos

                             Logo que saí da catedral segui em direção à Rue Saint-Denis, uma das ruas mais antigas de Paris. Sua rota foi colocada pela primeira vez no século I pelos romanos, e depois estendida para o norte, na Idade Média. A rua foi um dos centros da Rebelião de junho de 1832, imortalizada no romance Os Miseráveis, de Victor Hugo, também referida no livro o “Épico da Rue Saint-Denis”.

Rue Saint Denis

Rue Saint Denis

                    Dali, segui margeando o Canal Saint Denis 

img_2404

img_2412

img_2413

Parc de La Villete

img_2415

Canal de Saint Denis

até chegar à cidade que leva o mesmo nome –“A cidade de reis mortos e pessoas vidas”.

img_2422

Saint Denis

img_2423

img_2435

Catedral de Saint Denis

Segundo o poeta Jean Marcenac, Saint-Denis é um livro de história viva, com o seu símbolo mais importante, a Basílica, construída em honra de Saint-Denis, o primeiro bispo de Paris, decapitado em 280 d.C. Considerada uma das mais bonitas igrejas da França, a basílica impressiona pela sua arquitetura medieval e pela riqueza das criptas – o local foi usado como mausoléu dos reis da França.

                        O lugar também é famoso pelo moderno estádio- o Stade de France, palco do Jogo de Abertura e da Final da Copa do Mundo de 1998 e da Eurocopa, esse ano.

State de France

State de France

                       Explorei um pouco a cidade e, no momento de seguir pedalando, tive dificuldade de encontrar as sinalizações que me colocariam de volta na rota. Perguntei várias vezes  e a várias pessoas e informações desencontradas fizeram com que eu me distanciasse mais e mais do meu objetivo. Muitos não entendiam o que uma mulher sozinha em uma bike carregada estava fazendo ali e me diziam “Vá de trem”; outros, quando viam meus mapas, diziam  ” Não ,você não pode andar de bike nessa estrada” .  Já estava ficando confusa e me dei conta do quanto os locais não conheciam o roteiro “Avenue-Verte”. De repente passa por mim um ciclista – o primeiro que havia visto no percurso até então. Ele me perguntou se precisava de ajuda, foi o meu “anjo” do dia. Não só me ajudou a sair de Saint Denis como me contou que em vários trechos, até Nanterre, havia reformas e alguns desvios; então ele me acompanhou até o trecho onde eu não teria mais possibilidade de erro. Conversando, e me contou que trabalha em uma organização sem fins lucrativos em vários projetos relacionados à bike – Atelier Vélorution Bastille (velorution.org).

img_2448

Stéphane Bertrand. O “anjo” do dia

img_20160707_163357206

img_20160707_170536113

e no meio do caminho… uma ponte e muitos degraus

                     Com tudo o que aconteceu, houve atraso na minha programação; comecei a me preocupar com o tempo; então decidi não entrar na cidade de Nanterre e segui em direção a Le Pecp. A viagem continuou ao longo do rio Sena, com uma atmosfera impressionista, óbvio; depois de atravessar o rio em Maisons-Laffite e atravessar a parte norte da floresta de Saint-Germain, segui para o meu destino final programado para o dia – Conflans Sainte Honorine –  cheguei à cidade por volta das 20h30minhs.

img_20160707_181105971

img_20160707_182309444

img_20160707_182825843

img_2451

img_20160707_184951041

img_2456

Conflans Sainte Honorine

                        Não foi um dia fácil, não pela qualidade do percurso,mas pelas vezes em que fiquei confusa com as sinalizações. O pedal desse trecho normalmente é feito em 48 km, eu percorri em 91 km. Claro que entrei em todos os lugares possíveis, o que aumenta a quilometragem, mas me perdi e me encontrei várias vezes. Estava cansada e não queria errar o endereço do B&B onde me hospedaria; então, liguei para confirmar o endereço. France e Gilles  proprietários foram simpáticos, pediu para eu ficar onde estava e esperar por eles.

img_20160708_081947493_hdr

B&B I’sle de France ,- Conflans-Sainte-Honorine, França

                    2 Etapa – Conflans-Sainte-Honorine – Giverny

                     Conflans-Sainte-Honorine/ Vigny /Villarceaux/Giverny

img_2709

img_2472

Conflans-Sainte-Honorine

img_2481

                    A partir de Conflans-Sainte-Honorine, pedalei pelas as margens do Rio Oise durante um trecho, seguindo depois por pequenas estradas através da região Vexin Français — uma grande área verde com vários vilarejos muito pequenos e lindos, que parecem ter saído de um conto de fadas ou dos séculos passados. 

img_2503

img_2529

img_2504

img_2541

img_2538

img_2539

img_2499

img_2510

img_2522

                    Passei por Cergy, Vigny e Villarceaux rapidamente — meu objetivo era chegar a Giverny em tempo de explorar o lugar onde Claude Monet viveu e produziu parte de sua obra.

img_2535

img_2534

O Monumento Axe Majeur – Escultor israelense Dani Karavan em Cergy

img_2566

img_2576

img_2578

img_2584

img_2589

                          Cheguei a Giverny e fui direto para a casa onde ele viveu por 43 anos– de 1883 a 1926. Além de pintar, Monet era apaixonado por jardinagem. E ali concebeu um grande jardim de flores e um impressionante jardim aquático. São lindos! Caminhando entre eles, é impossível imaginar que da morte do pintor, no final do século 19, até os anos 1970 abandonados e se transformaram em um pântano.  Só após a morte do último filho do artista, em 1970, a Academia de Belas Artes, herdeira dessa propriedade de Monet, entregou à dois grandes jardineiros o delicado trabalho de restauração de Giverny. Eles tiveram por objetivo principal reconstruir o jardim que Monet teve diante dos seus olhos enquanto pintava; para isso se basearam nas telas do mestre, nas fotos e nos textos da época. 

img_20160708_155528887

img_20160708_155704909

     

             Fiquei tanto tempo por ali que resolvi me hospedar na pequena cidade.

img_2630

Hotel Restaurante La Musardiere – Giverny

                      3 Etapa – Giverny/ / Gornay-en-Bray

                         Giverny/ Verdon /Bray –et – lû /Gisors/ Gornay-en-Bray

                          De Giverny, antes de seguir para meu próximo destino, decidi visitar Verdon, a apenas 7 quilômetros e uma ciclovia de muito verde e paisagens belas ,

img_2643

sem contar que a cidade é um charme. Vernon pertence à região da Normandia, região que já presenciou diversas reviravoltas históricas. A mais notável aconteceu quando suas praias foram palco do sangrento desembarque das tropas aliadas, aquele que marcou o início da derrota dos nazistas na Segunda Guerra, em junho de 1944.

                        Em Verton visitei os principais pontos turísticos, como o  Antigo Moinho, ao lado do rio Sena. Nos anos de 1940 e 1944, o Moinho foi bombardeado durante a Segunda Guerra. Mas a prefeitura o restaurou para que não caísse no rio. Atualmente é o símbolo da cidade.

img_2651

img_2652

img_2665

img_9207

img_9210

                          No meio da região da Normandia pedalei através do Pays de Bray, chamado de Boutonnière (casa do botão) por se tratar de uma abertura de vales verdes e suaves em meio a planícies, casas de fazenda e florestas.

                         De Verdon até Gournay-en- Bray, destino planejado para essa etapa foram 54 km de paisagens rurais, plantações de maçãs e de campos apinhados por vaquinhas normandas.

img_9224

img_20160709_105123285

img_20160709_102230372

img_20160709_110944142_hdr

img_9229

img_9225

img_9219

                         4. Etapa -Gournay-em- Bray/ Forges-les-Eaux

                      Esse foi o trecho mais curto da viagem apenas 33 km até Forges-les- Eaux. Foi uma viagem tranquila com o cenário se repetindo ao longo do percurso.

Forges-les-Eaux tornou-se desde o século XVI, graças a suas fontes, um famoso SPA. A chegada de Louis XIII e toda a corte real no século XVII fez da pequena vila um destino famoso para a realeza francesa e Europeia.

img_20160711_081141553

Forges-les-Eaux

img_20160710_174934733

img_20160710_175335974

 

img_20160710_180910497

                    5. Etapa – Forges-les-Eaux /  Dieppe

                       Forges-les-Eaux / Neufchatel –en-Bray/ Mesnières-en-Bray/Arques-la-Bataille/ Dieppe

img_2702

                       De Forges-les-Eaux pedalei por uma ciclovia que me levou direto ao mar, passando por fazendas que abastecem os mercados normandos e franceses com seus excelentes produtos.

img_2707

img_2709

img_2719

img_2718

img_2717

                         Parei em Neufchatel- en-Bray, famosa pelos laticínios produzidos lá. O segredo parece estar no leite da espécie de vacas trazidas pelos vikings no século 9, que se diferenciam pelas manchas ao redor dos olhos, lembrando óculos. Existe até uma estátua enorme da vaquinha na entrada da cidade.

img_2744

img_2749

img_2752

img_2753

img_2771

Neufchâtel-en-Bray

img_2766

img_2785

img_2789

Château de Mesnières

img_2807

img_2812

img_2829

img_2845

img_2849

Dieppe

img_2850

                    Ao longo da segunda metade da rota, a paisagem, através do estuário de Arques, é tingida de azul, com castelos e antigas cavernas de areia que se tornaram refúgios de pássaros. Logo cheguei a Dieppe, o mais importante balneário francês e favorito de muitos pintores impressionistas. Foi emocionante chegar até ali pedalando.

img_2905

img_2915

                        Fiquei um tempo, sentada na praia de pedras olhando o mar, até que um senhor se aproximou e disse “Pois é a Inglaterra esta logo ali. Foi difícil não lembrar de todos aqueles que se lançaram às água do Mancha para atravessá-lo a nado. Ali parada pensei em Renata Agondi, primeira brasileira a morrer durante a travessia, em 1988, na época com 25 anos. E ali estava eu, uma mulher de 58 anos, sozinha que saiu de Paris com sua bicicleta carregada tentando chegar ao solo britânico.

img_20160711_143845

img_3001

img_2986

img_2965

img_2972

img_2981

img_2984

                    Depois de algum tempo segui pedalando pela praia até o centro da cidade. Parei em um dos bares do porto, pedi o prato típico do lugar (mariscos) e fiquei observando o vai -e -vem dos barcos e das pessoas.

img_20160711_143906494_hdr

                    6.Etapa – Dieppe/Heathfied

                     Dieppe/Newhaven/Polegate/Heathfied

                   Na manhã seguinte segui para o porto onde embarcaria em um ferry para a Inglaterra. Já havia comprado o ticket pelo site www.dfdsseaways.co.uk, quando programei a viagem— providência importante, pois o numero de bicicletas é limitado. De 01 de maio a 30 de setembro há três partidas – (12h30min, 18h e 23h49min); no restante do ano, apenas duas. O ticket custou 28 libras.  Eu escolhi a das 12h30min. Colocar a minha bike no ferry, ir para a proa e fazer toda a travessia (4 horas), olhando para o mar, foi indescritível.

img_20160712_100140

img_20160712_123855

img_20160712_123124354

                      Depois de cruzar o Canal, cheguei a Newhaven e fiquei na dúvida se seguia ou pernoitava ali. Havia chovido e já eram 16h. Apesar da distância programada – 44 km, não queria pedalar com chuva ou no escuro. Havia vários ciclistas no ferry, então perguntei se alguém seguiria pelo mesmo percurso que eu — Não —, todos estavam indo para praia (Brighton), o lado oposto. Um senhor, vendo minha preocupação me tranquilizou e disse – “Não se preocupe com a chuva; você esta na Inglaterra. Aqui é possível ter em um só dia as quatro estações do ano”. 

img_3204

img_3208

Newhave – Inglaterra

img_3219

                       Realmente não demorou muito, o dia ficou lindo, e logo depois encontrei um casal de espanhóis que estavam no mesmo trecho que eu. Pedalamos por um tempo juntos, mas logo eles se distanciaram. Segui pedalando ao longo do Vale do Cuckoo com destino a Heathfield. 

img_20160712_173426728

img_20160712_190900755

img_20160713_143120558

img_20160713_142546842

                     Quase chegando à cidade, o tempo mudou e nuvens negras começaram a surgir. A chuva veio, e escureceu rapidamente. Estava com os mapas e o endereço do hotel, mas o problema é que, nas cidades do interior da Inglaterra não há placas com o nome das ruas e nem número das casas (as casas têm nomes e as ruas números). Além disso, estava em uma rua que me possibilitava três escolhas e em todas as esquinas havia sinalizações da National Cycle Network (nesse trecho da Avenue-Verte as placas mudam).

img_20160713_135126743

img_3207

                   Confusa, parei e fiquei ali — no escuro, chovendo, nenhum lugar aberto, ninguém nas ruas. Já estava resignada – a minha ideia era procurar uma igreja ou a polícia, quando do nada, surge um garoto de aproximadamente 13 anos e me pergunta se preciso de ajuda. Eu nem acreditava. Mostrei a ele meu mapa e o endereço do B&B onde me hospedaria. Ele me disse que não sabia, mas que eu poderia acompanhá-lo até sua casa para verificarmos no computador (meu celular estava sem sinal). Fomos até lá, sua mãe me recebeu e, diante do meu estado, me colocou para dentro, me ofereceu toalhas, insistiu para que eu jantasse e só permitiu que eu fosse quando a chuva parou. Foi demais!

                   Ela tem dois filhos: o que me ajudou e outro, que tocou piano enquanto conversávamos. Fiquei sabendo que seu esposo é imigrante e viaja a trabalho. Ficamos um tempo conversando sobre o plebiscito que havia ocorrido, quando a Inglaterra decidiu sua saída da União Europeia. Ela falou sobre sua angustia e incerteza com relação ao futuro dos filhos e de sua vida. Saí dali com uma sensação muito boa, a de ser ajudada e a ter ajudado (ouvindo). Outra descoberta fantástica foi saber que o sonho do garoto que me ajudou é percorrer a rota que eu estava fazendo no sentido contrário (Londres a Paris). Combinei com a família que se o dia continuasse chuvoso, ficaria mais um dia e retornaria para visitá-los. Mas o dia amanheceu lindo (essa é a Inglaterra), decidi seguir. Voltei à casa da família para me despedir, mas não os encontrei; então deixei para o garoto um dos meus guias (é eu tinha os dois o: Paris/Londres e o Londres/Paris) — descobri naquele momento a razão de ter os dois … um era para deixar para o garoto.

img_20160713_100950115

a casa onde fui acolhida com carinho…jamais esquecerei a família

img_20160713_103327679

Para o Scott com carinho

                   Com o tempo lindo segui pedalando em direção a Crawley

                 7.Etapa – Heathfied /Crawley

                   Heathfied / Groombridge/East Grinstead/Crawley

                  Saí de Heathfied e segui pedalando ao longo da Worth Way, uma trilha pelos bosques, construída onde existia uma antiga linha ferroviária, que ligava East Grinstead a Three Bridgesate.  No caminho, passei por Groombridge Place. Mais uma vez, devo à gentileza dos moradores locais o fato de ter encontrado o local. Pedalei por um lindo caminho verde e deserto até chegar ao meu destino. O local serviu de locação para a residência da família Bennet do filme ”Orgulho e Preconceito”

                   De Groombridge segui para Crawley através de uma rota belíssima — a Forest Way — plana com  muitas árvores e pássaros. Foram quase vinte quilômetros pedalados em meio à floresta, o único som que ouvia era o canto dos pássaros. Mágico!!!!!!

img_20160713_142206206_hdr

img_20160713_145237122

img_20160713_105758023

img_20160713_115423497

                      Deixando a Forest Way pedalei mais 12 km e cheguei a Crawley, uma cidade dos subúrbios de Londres, localizada próximo ao segundo maior aeroporto do Reino Unido, Gatwick. Já me sentia quase em Londres.

                         Em Crawley me hospedei em uma antiga casa de fazenda do século XVI. A propriedade funciona como uma casa de hóspedes e tem mobília tradicional, vigas de carvalho, lareiras de granito, pisos inclinados e paredes tortas. Deitada em minha cama, em um pequeno quarto, pensava em como teriam sido as pessoas que ali viveram séculos atrás.

img_3230

img_3227

Oldlands FarmHouse B&B – uma casa de fazenda do século XVI

                    8.Etapa – Crawley /Londres

                      Crawley /Coulsdon/ / Wimbledon/ Morden /Londres

                     Chegar até Londres não foi tão fácil como parecia: eu estava hospedada próxima a um dos dois maiores aeroportos, o trânsito por ali era pesado, tive que pedalar um trecho no acostamento e foi bem tenso. Mas logo retomei a rota e cheguei a Couldasnt onde as sinalizações desaparecem ou ficam confusas. Fiz o  de que mais gosto: pedir ajuda — a melhor forma de interagir com os locais. Procurei por uma loja de bike, acreditando que lá as pessoas pudessem conhecer bem a rota. Acertei! O mecânico da loja sabia e comentou que realmente a sinalização por ali é precária. Começou a explicar, mas acredito que percebeu serem muitas as informações para eu guardar; então, o rapaz (atencioso e gentil) deixou o trabalho e me acompanhou até me colocar na rota.

img_3237

img_3238

                            Estava no subúrbio de Londres, em cada trecho o movimento de pessoas e carros aumentava; para quem estava há oito dias pedalando através de floresta e pequeninas cidades foi um choque. As sinalizações se tornavam cada vez mais confusas e às pessoas as quais pedia informação me mandavam para lugares que não faziam sentido com os meus mapas. Mas segui pedalando, o caminho me levou a Morden, visitei um parque lindo lá, mas eu tinha programado conhecer Wimbledon que tinha ficado para trás — então voltei uns oito quilômetros.

img_3249

img_3255

img_3260

img_3262

img_3263

                                Considerando o estresse do percurso, o fato de ter voltado a Wimbledon e uma conversa que tive com uma moradora local me desencorajando de seguir de bike por causa do trânsito caótico, decidi seguir os últimos 14 km de trem. Também não foi fácil, o acesso nas estações de trem são, na grande maioria por longas escadas e não é em todos os trens que se pode entrar com a bike montada e carregada. Normalmente, nas plataformas, ficam pessoas orientando, e eu tive que esperar pela autorização. Enfim, entrei em um trem não tão cheio, e o trajeto foi curto — 15min. Depois, na estação Victoria Station uma das maiores estações de trem de Londres, enfrentei o caos, tendo de subir escadas carregando a bike. As diferenças entre grandes metrópoles e as cidades pequenas ficaram nítidas ali na estação: ninguém me ajudou a subir as escadas…

                             Mas estava feliz, estava em Londres!!!!!!! Agora era só seguir em direção à Catedral de Westminster, minha meta. Andei ao redor da estação e encontrei uma loja de bike. Entrei e pedi informações a respeito do percurso. O garoto da loja foi atencioso, me deu um mapa da cidade e suas ciclovias (aliás, maravilhosas, mas isso será assunto de outro post)

img_3445

img_3453

img_3460

 Dali em diante,  não houve erro, segui por ciclovia até chegar a Catedral Westminster. Finalmente, atingi meu objetivo. Foi fantástico!

img_3275

Catedral de Westminster

Uma viagem memorável…Solo,mas não sozinha.

You Might Also Like