Viagem de Bike

Pedal solo : Interior da Inglaterra através da National Cycle Network – 3ª parte

21 de fevereiro de 2017

3º Rota 

Stratford-upon-Avon / Chipping Campden   50km

Nesse trecho segui a rota NCN 5 e NCN 41 . Foram 50 km de estrada no total a partir de Stratford-upon-Avon até Chipping Campden e passando por outros vilarejos. Foi difícil pedalar nessa região à vontade e ficar em cada vilarejo dias e dias. Em diversos momentos, entre um vilarejo e outro, parava, parava… Em todas as cidades ficava imaginando como seria morar ali, em uma casinha de pedra com lareira, e um jardim florido.Eu finalmente estava na região de Cotswolds, puro charme no coração da Inglaterra !

IMG_5059

IMG_5239

Em Chipping Campdem, o charme fica por conta das suas casas de pedra em tons amarelo-alaranjado, algumas cobertas de verde, outras de flores, num degradê de encher os olhos!

IMG_5103

Na cidade fiquei hospedada no Volunteer Inn B&B (http://www.thevolunteerinn.net/ )uma pousada do século XVII, repleta de história. Um “Inn”,  é o tipo de hospedagem mais comum no interior da Inglaterra. Basicamente, trata-se de um pequeno hotel, geralmente em uma grande casa georgeana. No térreo fica o pub, bem tradicional. Aí você abre uma porta no canto do pub, sobe um lance de escadas está em frente ao seu quarto. Muito bem instalada, voltei ao pub e lá fiquei, observando o mais puro jeito inglês de ser. O pub estava cheio de moradores locais , tomando seus aperitivos, ouvindo uma boa música e jogando conversa fora, num clima descontraído de uma bucólica cidade do interior da Inglaterra.

IMG_5171

 

4º Rota

Chipping Campden/ Moreton-in- Marsh/ Stow –on-the Wold / Todenhan / Honington  48,2 Km

No dia seguinte, depois de um completo café inglês – antes de seguir o roteiro planejado para o dia – decidi visitar Broadway distante a 7 km. Segui pela Cotswold Way, um percurso de tirar o folego. O Cotswold Way é uma trilha de caminhada que segue ao longo do comprimento dos Cotswolds, começando em Chipping Campden, no norte, e terminando em Bath, no sul. A trilha tem 102 km e vistas deslumbrantes. Pena que só percorri 14 km (ida e volta) com certeza voltarei…

Ao longo do caminho era muito comum ver essas barracas em frente as fazendas. E não havia ninguém para vender, tudo na base da confiança – pega e paga -,simples assim. Demais!!!

IMG_5186

IMG_0591

IMG_0583

IMG_0551

Depois de explorar a pequena cidade e uma tentativa frustrada de visitar a Broadway Tower  – teve um papel importante durante a Segunda Guerra Mundial era um mirante estratégico para a prevenção e alerta de ataques aéreos contra a Inglaterra- , voltei para Chipping Campden segui pedalando agora pela rota NCN 442 e 48.

Novamente foram vários vilarejos com casas de pedras que preservam sua beleza natural totalmente integrada com a vegetação do local e jardins impecáveis. Foi tranquilo chegar a Stow-on-the-Wold.

IMG_5289

Rústica, com chão de pedras, Stow-on-the-Wold é uma “cidade mercado” extremamente pitoresca e muito visitada por ter bons antiquários. Por muito tempo, o vilarejo foi o principal centro usado para a comercialização de ovelhas e lã.  A Igreja de St. Edward acompanhou a história da cidade e já serviu de abrigo para soldados refugiados.

IMG_5306

A interessante porta lateral Igreja de St. Edward

Depois de explorar Stow-on-the-Wold segui pedalando pela NCN 48, com destino a Honington – vilarejo onde havia feito reserva no Bed and Breakfast para um pernoite. O sistema Bed and Breakfast surgiu na Irlanda e é bastante comum na Europa. Funciona assim: o visitante se hospeda na casa de um morador local, que será seu anfitrião. A experiência reúne o conforto e a privacidade de um hotel com o clima aconchegante de  uma casa. Uma das vantagens dessa hospedagem é convívio com o morador e contato com os hábitos e a cultura local. Em Honington fiquei hospedada  no Milncraig House (www.booking.com/MilncraigHouse )

Eu fui tão bem recebida pela Sherell  Cunninghal –  a proprietária ,  e a sua casa é tão charmosa que resolvi perguntar se poderia ficar mais. Sherell Cunninghal é uma pessoa interessante e minha estadia por lá rendeu bons papos apesar do meu inglês precários . Sua história de vida é fascinante  e de uma de determinação de tirar o chapéu. Com mais de 25 anos de experiência na aviação na África como empresária, aviadora e aventureira, ela é uma mulher que alcançou seu sucesso através da tenacidade.Contou-me suas emocionantes histórias de quando voava em zonas de guerra na África, entregando ajuda alimentar. Amei estar com ela . O site dela  www.sherellcunningham.com vale a pena conferir.

IMG_5347

Foi uma ótima decisão ficar mais tempo e poder usufruir da companhia da Sherell. 

O dia seguinte amanheceu com muita chuva e eu aproveitei para descansar.  Com o dia chuvoso ficamos conversando muito sobre: a região e sua paixão por avião Ela me levou para conhecer algumas cidades próxima de carro e fazer supermercado . Mais uma vez tive a oportunidade de viver o dia como uma pessoa do local. O meu próximo trecho de pedal foi sugestão dela –  um roteiro de bike por cidades que não deveria deixar de conhecer. Então depois de um delicioso café da manha e com  a lista de cidades  sugerida por ela, parti. 

IMG_0720

IMG_5362

5º Rota

Honington/Ilmington/Mickleton/Honeybourne/Eveshan/Cheltenhan

61,8 km

Próximo post…

 

You Might Also Like

2 Comments

  • Reply David 26 de fevereiro de 2017 at 21:36

    Olá,
    tenho me interessado por viajar de bicicleta, e gostaria de saber se você chegou a Europa… de avião(provavelmente)? Ou também foi até lá pedalando? Haha, acredite, é uma pergunta séria! E como é pedalar longas distâncias? As pernas ficam muito doloridas? Já bateu uma vontade de usar o banheiro em uma hora inconveniente( no meio de uma rodovia com muitos carros, por exemplo), e quais as melhores precauções para se tomar? Agradeço a atenção.

    • Reply Vera Marques 27 de julho de 2017 at 17:05

      Oi David, mil desculpas pela demora na resposta. Para chegar a Europa só de avião, se deve para chegar de bike eu encararia 🙂 Pedalar longas distancia distancias só precisa de planejamento, eu raramente pedalo mais de 50 km por dia. Faço varias paradas. As pernes são se acostumando depois do terceiro dia fica bem mais fácil. Quanto ao banheiro essa situação – no meio de uma rodovia com muitos carros, não ocorreu felizmente. As precauções são todas aquelas que tomamos quando saímos de casa, não importa o lugar. Abs

    Leave a Reply