Caminho Francês de Santiago de Compostela – 15ª Etapa

/, Viagem de Bike/Caminho Francês de Santiago de Compostela – 15ª Etapa

Caminho Francês de Santiago de Compostela – 15ª Etapa

No Caminho Francês de Santiago de Compostela

15ª Etapa

Arzúa / A Peroxa / Calzada / Boavista / Salceda / O Xen / Ras / A brea / O Emplame / Santa Irene / A Rúa / O Pedrouso / Amenal / San Paio / A Lavacolla / Villamaior / San Marcos / Monte Del Gozo / Santiago de Compostela

Total -41,0km

Acordei emocionada, ainda não acreditando que havia chegado até aqui. Meu coração batia pelo sentimento de conquista. Tudo  em virtude da realização de um projeto.

Finalizar o caminho era concluir esse projeto idealizado que agora ia se concretizando. A expectativa e a euforia transformaram aquelas primeiras horas do dia 29 de setembro de 2015.

Um dia muito especial. Despedi-me do Sr. Lucas e família e segui feliz!!!!

Alguns quilômetros depois de deixar Arzua, encontrei no caminho uma exposição. Nela  frases filosóficas colocadas com muito capricho na parede de uma velha casa. Não havia o nome de quem deixou, mas com certeza deve ser alguém muito especial.

Segui deixando para trás Peroxa, Calzada, Boa vista, Salceda, O Xen, O rás, A Brea, O Emplame, Santa .

No caminho um bar curioso!!!! Como as pessoas estão chegando a Santiago elas deixam ali muito do que usaram durante o percurso: camisetas, bonés, ect. Elas escrevem mensagens, nomes e expressam ali seus sentimentos. Lindo de ver! Aqui experimentei uma cerveja artesanal de nome Peregrina.

Antes de chegar a Santiago de Compostela, fiz uma parada no Monte del Gozo.

Uma colina onde os peregrinos dos velhos tempos viram as torres da catedral de Santiago pela primeira vez.

Isso ainda hoje é possível estando no monumento aos peregrinos.

O monumento é lindo e tem uma atmosfera especial de alegria e gratidão. Vi muitos peregrinos nos quilômetros finais. Cada um com sua história, com seu sentimento de dever cumprido e  com a emoção que certamente preenchia o coração de todos.

Todo o esforço e todo comprometimento estavam prestes a se transformar em conquista. Para mim que cheguei ali sozinha depois de várias etapas e muitos quilômetros pedalados.  A sensação de que estava muito próxima de Santiago, foi uma emoção contagiante.

Quando entrei em Santiago de Compostela e cheguei ao centro histórico e na praça da catedral, parei. Fiquei admirando a catedral, que ainda passava por reformas, e pensando em tudo que tinha vivido naqueles dias anteriores. Pensava na minha família que me apoiou 1000% e já dedicava a ela a minha conquista.

Depois de um tempo na praça, fui até a Oficina dos Peregrinos. Lá pegaria minha Compostela, o documento emitido pela ordem que simboliza a conclusão da peregrinação pelo Caminho de Santiago. A fila já estava enorme.

Entrei nela e fiquei aguardando. Depois de quase uma hora, finalmente chegou a minha vez. Saudaram-me, perguntaram meu nome, pegaram minha credencial (neste momento já estava comigo) e emitiram a tão esperada compostela. Estava feliz! Muito feliz!

Da oficina dos peregrinos fui direto para o Hotel Gastronômico San Miguel, onde ficaria hospedada por dois dias. Queria um banho e deixar minha bagagem.

Voltei para a Praça Obradoiro. Com tempo disponível fiz o que mais gosto – sentei no chão e fiquei horas observando as pessoas que finalizam ali suas jornadas. Gente do mundo inteiro, com muitas estórias para contar.

Depois fui a catedral assistir a missa dos peregrinos.

Não há palavras para descrever a beleza da Catedral. É pura emoção, simplesmente fantástica.

 

 

A catedral fica completamente tomada por turistas e peregrinos que terminavam a peregrinação. É difícil encontrar espaço para assistir à missa. Foi Lindo!

Na Idade Média esta bela cidade era o terceiro mais importante local de peregrinação dos cristões, depois de Jerusalém e de Roma. Em 813, o suposto corpo do apóstolo São Tiago teria sido encontrado aqui, fato que atraiu peregrinos de todas as partes do mundo.

Do lado da Praça fica o Hostal de los Reyes Católicos, construído pelos monarcas espanhóis para abrigar peregrinos, hoje é um hotel sofisticado com acesso apenas a quem esta hospedada. Mas eu conversei com a recepcionista e ela permitiu minha entrada. O lugar é lindo!

Dois dias na cidade foi o suficiente para explora-la. Eu ainda tinha tempo disponível e sabia que o Caminho Frances não terminava em Santiago e sim em Finesterra. Decidi então continuar a viagem.

O Caminho a Finisterra é realizado pelos peregrinos que desejam conhecer o mar e ver o “Fim do Mundo”, ou o “Fim da Terra”, ou também como é chamada “A Costa da Morte”.

A região esta situada nos confins do velho continente em um dos pontos extremos da Europa é considerada como uma terra mágica, cheia de lendas e tradições.

Visitar a Costa da Morte significa chegar ao fim de um velho caminho de peregrinação pelas terras mais ocidentais da Europa. Seguido por milhares de pessoas ao largo de muitos anos.

O Cabo Finisterra, situado a cerca de 100 km a Oeste de Santiago de Compostela, é considerado por muitos o verdadeiro fim do Caminho de Santiago.

É uma tradição peregrina molhar os pés no oceano, queimar ou deixar algo que você carregou consigo o tempo todo durante a peregrinação, uma forma de celebrar o início de uma nova vida.

Descendo na cruz observei várias marcas de roupas queimadas. Este ritual eu não fiz. Mas molhei meus pés, e joguei no mar a concha Vieira que me acompanhou por toda a viagem.  Dizem que após concluir o Caminho e chegar a Finesterre devemos joga-la no mar.

Para que assim possamos disponibilizar o conhecimento adquirido durante o trajeto.  Eu conheci muito,fiz e faço questão que toda a proteção e conhecimento que tive no meu caminho estejam disponíveis. Minha concha foi para o mar da Galiza.

Outra tradição que fiz questão de fazê-la: ir para alto mar e ver o por do sol, que se esconde nas águas e que renasce, tal como o peregrino que chegou a Finisterra renasce de novo…

Vi o por do sol, no dia seguinte levantei muito cedo para ver o nascer do sol. Assim minha viagem ficou completa. Foi incrível!!!!

“Felicidade só é real quando compartilhada” (Christopher McCandless). Nada mais verdadeiro.

2018-11-30T11:49:52-03:00

Sobre o Autor:

10 Comments

  1. Livia 18 de fevereiro de 2019 em 09:33 - Responder

    Vera que emoção ler seu diário dw viagem. Pedalei com vo e todas essas etapas. Agora em maio serwi eu a conhecer essa beleza.
    Parabéns a nós que buscamos unicamente a VIDA!!!

    • Vera Marques 18 de fevereiro de 2019 em 10:33 - Responder

      Obrigada Livia. A intenção é compartilhar e incentivar. Que legal que você esta indo, fico feliz por voce. Boa viagem!!!!! Qualquer duvida estou a disposição .Abraços.

  2. Jader 21 de fevereiro de 2019 em 19:10 - Responder

    Parabéns, Vera. Incrível e emocionante seu relato, adoro pedalar e imaginei pedalando junto a você lendo todas as etapas, pretendo fazer o meu caminho em 2020, te desejo toda a felicidade de mundo. Deus te abençoe. Abraço.

    • Vera Marques 25 de abril de 2019 em 10:15 - Responder

      Obrigado Jader! Deus te abençoe também.A ideia do blog e realmente incentivar aqueles que querem ir.Abs

  3. Daniel Greg 12 de março de 2019 em 15:08 - Responder

    Boa tarde Vera,
    muito especial o seu relato, estou planejando fazê-lo também de bike.
    Tenho uma dúvida, pode-se acampar( barraca) no caminho ou nas cidades ?
    Abraços,

    Daniel

    • Vera Marques 25 de abril de 2019 em 10:14 - Responder

      OI Daniel, sinceramente não sei te responder , mas o povo ao longo do caminho são muito receptivo, tenho certeza que voce encontrara lugares para acampar. Mas eu acredito fortemente que é um peso desnecessário, porque tem muitos albergues gratuito ou por troca de doação. Fiquei em alguns que eu deixava de contribuição 5 euros. Em todos ha cozinha preparada para voce fazer sua comida. E so uma questão de estilo mesmo – se acampar te faz feliz …pronto!!!! Forte abraço e boa viagem

  4. Elliana 19 de abril de 2019 em 16:49 - Responder

    Vera, muito obrigada pela disponibilidade e tempo que dedicou em compartilhar sua experiência pelo Caminho de Santiago. Será de grande valia para a nossa viagem que começa em maio próximo. E depois dessa, vou continuar te acompanhando nas outras cicloviagens, que nos servirá de incentivo com certeza. Parabéns pela sua coragem! Abraços.

    • Vera Marques 25 de abril de 2019 em 10:10 - Responder

      Oi Elliana obrigada!!!! A intenção e incentivar e no possível ajudar aqueles que querem ir. Boa Viagem!!!!

  5. Wagner Jose Dias 19 de abril de 2019 em 18:37 - Responder

    Parabéns, Vera!! muito legal esse seu diário. Eu e mais dois amigos estamos indo em maio/2019. Obrigado por você compartilhar tudo isso que você viveu, estou pegando o seu roteiro como base…Obrigadão!!! Só uma dúvida em relação ao seu preparo físico: como foi sua preparação; você já pedalava com essa frequência (média 60 km dia)….Valeuuuu

    • Vera Marques 25 de abril de 2019 em 10:09 - Responder

      Oi Wagner obrigado! Que legal que você vai fazer essa viagem. Ela é realmente magica, por tudo que o percurso envolve.Quanto ao preparo físico não se preocupe. E possível fazer essa media tranquilo. Eu pedalo devagar, paro muito para fotografar e interagir com as pessoas,então eu nem percebia. Tem percurso difíceis,mas eu empurrava, como estava sozinha nunca ia pela rodovia , sempre pelas trilhas dos peregrinos.Eu já pedalava , mas nada tão intenso. Boa viagem!!!!!!

Deixar Um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.